Tabela guia de tamanho de roupas e sapatos infantis

À pedidos de algumas amigas, vou compartilhar a tabela de tamanhos de roupas e sapatos que fiz para colocar no armário do Gabe.

Apesar de outras mães terem me alertado durante a gravidez que muitas vezes guardamos uma peça de roupa e quando vamos experimentar no bebê ela já não cabe mais,  aconteceu comigo. :( Mesmo com a etiqueta dizendo que era para uma “idade maior” da qual meu filho estava.

Pra resolver esse problema, listei as principais marcas que meu filho tem roupa e criei meu próprio guia de tamanhos. Durante minha pesquisa, vi que a modelagem para meninas é um pouco diferente, mas acho que dá pra ter uma noção através dessa tabela mesmo.

captura-de-tela-2016-10-21-as-11-26-33

Espero que ajudem vocês à não perderem tantas roupas dos bebês/crianças.

Clique aqui para baixar a versão preto e branco em PDF e aqui para baixar a versão em editável em Excel.

O que comprar para o enxoval do bebê

É possível encontrar diversas listas de enxoval para bebês internet à fora. Eu mesma, quando fui comprar as coisas para o Gabe procurei em sites e compilei com as listas que minhas amigas me passaram. Mas quando eu estava nas gôndolas das lojas, diante de inúmeros modelos e marcas de produtos, senti falta de ter mais conhecimento para poder escolher o que seria mais adequado para o meu uso.

E por isso este post. Uma lista do que é preciso (ou não) comprar para o enxoval do bebê (para até 1 ano de vida) com comentários da minha experiência e dicas de marcas e modelos. O Gabriel é novinho e ainda não tive a oportunidade de usar tudo o que comprei, mas me comprometo em ir atualizando o post, conforme for necessário.

 

quarto-de-crianca-menina-rosa-colorido-berco-trocador

QUARTO E BANHEIRO

  • Berço (se quiser berços modernos, leia o post Berços Modernos e Brasileiros)
  • Colchão (pois é, não vem com o berço, compra-se à parte)
  • Berço portátil para viagens (opcional, acabei usando para deixar um na casa da minha mãe)
  • Poltrona de amamentação: optei por comprar a poltrona Biscoito da loja Oppa. (Amei!)
  • Puff de apoio para pés (opcional)
  • Mesinha de apoio para amamentação
  • Mosquiteiro para berço (opcional)
  • Cômoda para usar como trocador (opcional, caso optem por usar o trocador da banheira ou dentro do armário)
  • Colchão para trocador (opcional, caso optem por usar o trocador da banheira, não precisa)
  • Moisés (opcional)
  • 4 Roupas de cama
  • Almofada de amamentação (opcional)
  • Cesto / Caixa / Estante para brinquedos (opcional)
  • 4 Mantas e/ou Cobertores: Sugiro comprar de tecidos diferentes, algumas mais grossas e outras mais leves
  • 2 Kit berços (opcional): Os kits de berço são aquelas almofadas que são colocadas nas laterais do berço pra deixar tudo acolchoado. Aqui em casa, nós optamos em não colocar, por uma questão estética para o estilo de quarto que escolhemos e também por segurança – existem relatos de bebês que morrem sufocados por causa das almofadas)
  • Banheira: nós compramos a Splash da Burigotto
  • Banheira portátil para viagens (opcional)
  • Ofurô (opcional): É um balde pra colocar o bebê dentro com água morna. Dizem que eles adoram, que acalma e param de chorar. Nós não compramos.
  • Cesto de roupa suja
  • Lixeira: Nós optamos em não ter, para não ficar acumulando fralda suja no quarto dele por causa do cheiro.
  • Babá eletrônica (opcional): Nós escolhermos uma que se chama Infant Optics DXR-8. Quando estávamos fazendo o enxoval, também nos recomendaram os modelos da Motorola e Summer. O importante é saber que existem basicamente 2 tipos de babás eletrônicas, as que funcionam via internet e as de rádio frequência. Optamos por uma de rádio frequência, pois aqui em casa a internet oscila muito, e tivemos relatos de amigos que disseram que a imagem trava bastante.
  • Projetor de som e luz (opcional): é um aparelho que transmite sons diversos para acalmar o bebê (músicas, sons que imitam o barulho do utero, coração, etc) e também projeta no teto (ou parede) algumas imagens.
  • Móbile para o berço (opcional): Existem também opções de móbiles que já vêm com projetor e som. Nós ganhamos um da Fischer Price e o Gabe realmente parece gostar. O mais legal deste modelo que temos é que podemos sincronizar com o celular, então às vezes ligamos a rotação do móbile e os sons do nosso quarto durante a madrugada, ele acalma, volta a dormir e não precisamos levantar.
  • Umidificador (opcional)
  • Travesseiro (opcional – os médicos recomendam usar travesseiro só depois de 1 ano)
  • Cabides.

Considerações:
1- Algumas pessoas gostam de ter o bebê dormindo no quarto dos pais nas primeiras semanas de vida. Se esse for o caso de vocês, as opções são: Moisés, Carrinho ou Mini Berço. Nós optamos pelo berço Crescer da marca Sleeper. Ele tem a opção de virar um berço bolinha pequenininho que cabe no nosso quarto, assim economizamos com o Moisés.
3- O quarto do Gabe é uma suíte, então optamos por colocar a banheira dentro do box para facilitar as coisas. Adaptamos o chuveiro para ter aqueles chuveirinhos e ficar mais fácil para encher a banheira e também para dar banho nele mais pra frente. Tenho amigas que não tinham banheiro exclusivo para o bebê e colocaram a banheira dentro do quarto. Aparentemente, dá super certo também… só fica um pouco mais chato a parte de encher e esvaziar a banheira pois deve ser feito com balde.

 

Captura de Tela 2016-08-12 às 16.51.38
HIGIENE E SAÚDE DO BEBÊ

  • Kit Higiene: é um kit (que pode ser conjuntinho ou não) que vem garrafa térmica e outras variedades de potinhos para deixar próximo a área do trocador e facilitar a logística da troca de fralda.
  • Pomada para assaduras: Até agora só usei a Desitin. Existem 2 modelos, azul e roxa (para diferentes intensidades de assaduras). Sugiro comprar pote para deixar no trocador e bisnagas para deixar na bolsa do bebê. O pote grande dura cerca de 5 meses.
  • Algodão: se optarem por limpar ele com algodão e água morna ao invés de lenço umedecido, tem que comprar bastante (tipo… muito MESMO). Acho que uso cerca de 1kg de algodão por mês. Update: acabei me acostumando a usar algodão de rolo, uso 1 rolo de 500g por mês.
  • Lenço umedecido: Ainda estou testando algumas marcas, então não me sinto apta a indicar a melhor. As mais recomendadas pelas amigas são: Dove, Johnson & Johnson, Huggies e Mustela.
  • Álcool em gel anti-séptico (opcional, mas aqui em casa temos um em cada cômodo e um mini pendurado no carrinho)
  • Álcool 70%: Necessário para fazer a limpeza do coto do cordão umbilical. Nós ganhamos um pote no hospital.
  • Cotonete
  • Shampoo e sabonete líquido: No início o bebê usa o mesmo produto para o cabelo e corpo, srs. As marcas mais recomendadas são: Mustela, Granado, Aveeno Baby, Natura, Dove Baby, Johnson & Johnson, Cetaphil Baby e Aquaphor Baby. Até agora usamos o da Johnson & Johnson e o Aveeno Baby. Gostamos dos dois.
  • Creme hidratante para corpo do bebê: As marcas recoymendadas são: Aveeno Baby, Mustela, Johnson & Johnson, Cetaphil Baby e Dove Baby. Aqui em casa, optamos por usar o Aveeno, achamos que tem o melhor cheirinho.
  • Termômetro: Nós compramos um nos EUA que não precisa nem encostar na criança… é à laser.
  • Aspirador nasal: aparentemente existem 3 modelos, um que é uma bombinha manual, outro por sucção e outro elétrico. Ganhamos o de sucção, mas ainda não precisei usar, portanto não tenho opinião no momento.
  • Nebulizador: Sugiro comprar quando (e se for) necessário
  • Kit de cortar unha
  • Escova e pente de cabelo
  • Fraldas: as marcas recomendadas foram Pampers, MomyPoko e Huggies (nessa ordem).
  • Trocador descartável (opcional)
  • Saco de lixo para fraldas (opcional): Existem algumas opções que são feitas para bloquear o cheiro. Ideal para deixar na bolsa do bebê.
  • 2 toalhas de banho: O importante é que sejam bem macias para não agredir a pele do bebê, quando ainda recém nascido.
  • 2 toalhas de banho tipo fralda de pano
  • Saquinho de sementes (opcional): para colcar no microondas e colocar na barriga do bebê para diminuir cólicas
  • Aquecedor de lenços umedecidos (opcional)
  • Massageador de gengivas (opcional)
  • Escova de dentes

 

Chango_Westhampton-Beach-Playhouse_9.jpg.rend.hgtvcom.966.725

DIVERSOS

  • Carrinho: Pra mim, esse foi o item mais difícil de toda a lista, demoramos uns 5 meses pra escolher e acabamos comprando o modelo Bravo da Chicco. Existem uma infinidade de modelos, cores, tamanhos e tipos. O ideal é escolher algo que atendam as necessidades de vocês. (Provavelmente farei um post mais pra frente só para falar deste tópico)
  • Mosquiteiro para carrinho (opcional)
  • Bebê conforto com suporte para carro: O ideal escolher um que encaixe no carrinho. O nosso é o KeyFit 30 da Chicco.
  • Espelhos retrovisores para o carro (opcional): Até 1 ano, o bebê vai virado para a parte traseira do carro (por questões de segurança). Pra que ele consiga visualizar os pais no banco da frente e também os pais conseguirem ver o bebê, existem uns espelhos retrovisores que coloca no carro. Compramos mas até agora foi inútil, rs.
  • Protetor de banco para carro (opcional): caso o banco do carro seja de couro, o bebê conforto pode estragar o banco do carro com o peso e tempo de uso. Existem uns protetores pra evitar isso.
  • Bolsa / Mochila do bebê: Várias amigas me sugeriram comprar as mochilas da Skip Hop. Falaram que é mais prático para o dia a dia. Mas eu acabei comprando uma bolsa mesmo… Existem bolsas de todos os preços e gostos, o importante é ser confortável.
  • Trocador portátil (opcional): Apesar de opcional, é altamente recomendado, pois quando você não está afim de sair com uma bolsa gigante de bebê, é só colocar isso dentro da sua bolsa normal. Eu comprei uma da marca Skip Hop (nenhum motivo específico, só me simpatizei com ela mesmo).
  • Sling e/ou Canguru (opcional): optei por ter um sling ao invés de canguru. Comprei o meu com a Luna de Pano. Foi o melhor custo x benefício que achei e estou gostando muito.
  • Tapete de atividades
  • Cadeirinha da balanço para o bebê (opcional)
  • Cadeirinha de alimentação portátil (opcional): Compramos uma da Chicco mas como ainda não entramos na fase de alimentação de sólidos, não usei.
  • Cadeirão de alimentação (opcional)
  • Brinquedos e livros (opcional): Nos primeiros meses os bebês não interagem com nenhum tipo de brinquedo. Por volta dos 3 ou 4 meses, começam a usar bastante mordedores.. tem uns com água dentro pra colocar no congelador.. dizem que alivia o incomodo quando os dentinhos estão nascendo. Quanto à brinquedos, sugiro não comprar, pois provavelmente vocês vão ganhar muitos.
  • 8 Mamadeiras: Sugeriram as marcas Philips Avent, NUK e Chicco. Nós usamos um kit da Avent que vem com vários modelos, tamanhos e também com o esterilizador de microondas.
  • Bico de mamadeira: Mais importante do que as mamadeiras, são os bicos. Independente da marca, o ideal é comprar bicos extras. Por 2 motivos: você só precisa trocar o bico ao invés de trocara a mamadeira inteira para acompanhar o crescimento do bebê e também porque os bebês acabam se adaptando a certos tipos de bico, e se vc tiver usando o bico “errado” ele pode rejeitar a mamadeira, ter cólica, etc… Portanto o ideal é ter vários tipos de bico e testar pra ver ao que melhor se adequa ao seu filho. Geralmente os bicos são categorizados por tipos e fases. A Avent, que foi a que eu escolhi, tem 2 modelos de bicos: os tradicionais e os de pétala, que imitam a sensação do seio da mãe. Dentro desses dois modelos, existem as fases, que são 4, sendo a primeira para recém nascidos e a última (4 fase) para bebês maiores. A diferença é o tamanho do buraco do bico, que controla a quantidade de liquido que sai da mamadeira. O tema “mamadeiras” vale um post exclusivo, que vou escrever em breve.
  • Esterilizador de microondas: Existem várias marcas e modelos. O meu veio no kit das mamadeiras.
  • Esterilizador de saquinho (opcional): Cumpre a mesma função do item anterior… A diferença é que são saquinhos, então você pode deixar na casa dos seus pais e na bolsa. Cada saquinho da pra usar umas 10 ou 20 vezes, dependendo da marca. Existem várias marcas, os nossos são do Dr. Brown’s.
  • 2 Mamadeiras e copos de transição: Para fazer a transição entre mamadeira e copo, existem as chamadas mamadeiras de transição, que tem um bico diferenciado. As marcas mais sugeridas são: Philips Avent e Munchkin. Independente de qual seja o modelo ou marca escolhida, o importante é ler na embalagem se ela é aprova de vazamento d’água… Pra que a criança possa ficar sacudindo o copinho sem molhar (muito) o ambiente.
  • Chupetas (opcional): Sugiro comprar umas 10 chupetas, sendo de diversos modelos e tamanhos, assim você testa qual se adequa melhor ao bebê. Marcas recomendadas: Philips Avent, Munchkin, NUK.
  • 6 Talheres: Marcas recomendadas: Munchkin, NUK. Existem vários modelos. Nós compramos umas que mudam de cor caso a comida esteja muito quente. É importante garantir que a colher seja de silicone, pra não correr o risco de machucar a boca do bebê.
  • 6 Potes / Pratos: Sugiro comprar tamanhos e profundidades diferentes e verifiquem se o produto pode colocado no microondas e na máquina de lavar. Os da Skip Hop, por exemplo, não podem. Nós compramos da Munchkin, sendo que alguns tem ventosa embaixo pra grudar na mesa.
  • Fraldas de pano: Disseram que era bom ter umas 50 pois usa-se muito: cobrir o bebê, limpar, forrar os lugares, etc… No início achei que era exagero, mas na prática às vezes até acho pouco, pois o Gabe regurgita bastante. Compramos as da Cremer mas existem também as de fibra de bambu que são ótimas, super macias.
  • Fraldas de boca: são mini fraldas.
  • Swaddles (ou Cueiros) (opcional): Durante os primeiros meses de vida os bebês tem o chamado Reflexo de Moro (google it) e pra ajudar eles a se sentirem mais seguros e dormirem melhor existem os swaddles (chamados cueiros aqui no Brasil), que é uma fralda/manta engraçada que você enrola o bebê e ele fica com os braços e pernas presos. Você pode amarrar ele com uma fralda ou manta tradicional, mas existem uns modelos que já vem com velcro e facilita o processo.
  • Bombinha para tirar leite (opcional): Existem os modelos manuais e elétricos. Recomendo  o elétrico das marcas Philips Avent e Medela. Sugiro esperar ver a necessidade para comprar esse item, pois é bem caro e existem grandes chances de não precisar usar.
  • Saquinho para congelar leite (opcional)
  • Aquecedor de mamadeira elétrico (opcional): Comprei e não usei. Acho bobagem.
  • Babadores de pano: são úteis para casos de bebês que regurgitam muito e para a fase em que os dentinhos estão nascendo. Gosto muito dos modelos tipo bandana.
  • Babadores para alimentação: Existem infinitos modelos: pano, plásticos, grandes, pequenos, com bolsos, etc. E quanto a esse assunto, tenho considerações: compramos os do Gabe de plástico, com bolso, lindos e estampados. E o que aconteceu foi que ele ficou imensamente entretido com os desenhos dos babadores e ficava levantando pra cima da cabeça, ou seja… toda sujeira da comida ia parar grudada no cabelo dele. Além disso, descobri que lavar babador é uma das coisas mais chatas do universo, e se você estiver fora de casa, guardar babador sujo é pior ainda. Portanto, recomendo fortemente investir apenas em babadores descartáveis!!! Os que eu comprei (aqui no Brasil mesmo), não têm desenho colorido (então o Gabe não se distrai), tem uns adesivos que consigo colar na roupinha dele (então evita dele ficar levantando até a cabeça) e jogo fora assim que termino de usar! São esses daqui, mas existem outras marcas e modelos (ainda não testei). Me arrependi muito de ter gastado dinheiro comprando babadores reutilizáveis pra ele. Se tivessem me dado essa dica antes, não teria gastado esse dinheiro “à toa”.

 

Captura de Tela 2016-08-12 às 17.32.35

PARA A MÃE

  • Creme anti estria: Recomendo a marca Mustela.
  • Creme cicatrizante para seios: Recomendo a marca Mustela e Lansinoh. Comprei da Lansinoh, inclusive uns de bisnaga menores pra deixar na bolsa.
  • Absorvente para seios (opcional)
  • Gel cicatrizante para seios (opcional): Sugiro o da Lansinoh (foi o que me salvou).
  • Bico de silicone para seios (opcional): compra em farmácia
  • Absorvente noturno
  • Sutiã de amamentação
  • Calcinha / Cinta pós parto (opcional)

 

como-organizar-o-guarda-roupa-do-bebe-2

ROUPAS DO BEBÊ

Considerem repetir a lista abaixo para as diferentes faixas “etárias” (RN, 0-3, 3-6, 6-9, 9-12 meses). Na etiqueta das roupas, quando estiver escrito “3 meses”, por exemplo, significa que a roupa é para até 3 meses. Quando está escrito P, M ou G, aí é no “olhometro” mesmo. Vale considerar a estação do ano que ele vai nascer e estar em cada faixa de idade para adequar a quantidade de peças de cada item. E também levem em consideração o estilo de vocês.

As marcas que mais gostei e recebi recomendação são: Carters, GAP, Old Navy, Zara, Children’s Place, Gymboree, Chicco e TipTop.

  • Calças: Com ou sem pezinho.
  • Blusinhas básicas de colocar por baixo (brancas)
  • Boddies cores lisas manga curta
  • Boddies cores lisas manga cumprida
  • Boodies estampados manga curta
  • Boddies estampados manga cumprida
  • Camisetas e camisas
  • Shorts
  • Chapéu para piscina
  • Macacão: Para os primeiros meses de vida, sugiro fortemente comprar os modelos que o fechamento é por zíper. Isso facilita muito o processo de trocar roupas e fraldas para os pais de primeira viagem.
  • Gorro de frio
  • Meias: Compre muitas, é um item que perde fácil.
  • Luvas (para recém nascido)
  • Babadores: Até os 6 meses são aquele pequenos, tipo bandana, para baba e regurgito. Depois da introdução de alimentos sólidos, o ideal são os babadores maiores e de preferência plastificados .
  • Roupa de piscina (a partir de 6 meses): Existem shorts e blusas com proteção à raios UV.
  • Sapatos: Considere que bebês quase não usam. A partir de uns 10 meses, a chance dele começar a andar é mais alta então compre sapatos com solado mais firme.

 

Metodologia STEAM na educação infantil

Ninguém pode negar que a cada dia que passa a tecnologia fica mais presente nas nossas atividades diárias. Já estamos tão habituados, que só percebemos nossa “dependência” quando, por algum motivo, ficamos sem.

Tendo isso em vista, novos educadores estão estimulando que a tecnologia faça parte das metodologias de ensino das crianças desde cedo. E assim, há alguns anos surgiu o método STEM – Science, Technology, Engeneering and Math que já vêm sendo utilizado por diversas escolas, principalmente nos Estados Unidos.

Recentemente um grupo de educadores, propôs que uma “competência” fosse acrescentada a essa linha de estudos fazendo com que o STEM seja substituído pelo STEAM, que sustenta as mesmas áreas do conhecimento anteriores, mas acrescenta a Arte como um fio que interliga as outras disciplinas. (Quem quiser conhecer mais sobre essa iniciativa, clique aqui)

2015 Lafayette College STEAM Camp held in Acopian Engineering Center. STEAM stands for Science, Technology Engineering, Arts, Mathematics. Professor Berkove teaches An alarm Circuit © chuck zovko / Zovko Photographic llc July 27, 2015

Os estudantes expostos a este método, se envolvem em soluções de problemas reais de forma multidisciplinar, através de atividades ligadas diretamente com a ciência, tecnologia, engenharia, artes e matemática. Os alunos aprendem a planejar, exercitam a tentativa e erro, a colaboração e a perseverança, lições muito úteis, independentemente da carreira que venham a seguir. Na educação tradicional, quando punimos o erro, podamos a criatividade. Na metodologia STEAM, o erro não é ignorado, mas o estudante é estimulado a reconhecê-lo e utilizá-lo como aprendizado. O método tem como objetivo fazer com que as crianças se questionem, observem, investiguem e reflitam sobre suas ideias. 

Esta proposta de ensino vai na contramão do modelo tradicional que estamos mais familiarizados. Isso é possível devido à tecnologia da informação e comunicação estar cada vez mais disponível no ambiente escolar e doméstico, permitindo que cada indivíduo tenha seu tempo de aprendizado. Através de ferramentas computacionais, os professores conseguem identificar os pontos fortes e fracos de cada aluno, permitindo a personalização do ensino. O que não significa que o estudante terá que aprender sozinho, mas sim em grupos com demandas e interesses semelhantes.

Rocky-Mountain-STEAM-Fest-Maker-Boulder-23rd-Studios-Photography-Boulder-20

Não foi fácil encontrar artigos para que eu pudesse me preparar para escrever este post, principalmente em português. Talvez o método seja tão novo, que não tenham muitas pessoas escrevendo a respeito.

De qualquer forma, segue a relação de artigos que encontrei:

Álbuns no Pinterest que já colecionam atividades que podemos aplicar com as crianças no dia a dia sobre o assunto:

Algumas escolas brasileiras que já utilizam (ou estão começando a utilizar) o método: Escola Villare, Colégio Bandeirantes, Colégio Ofélia Fonseca

1e3db66d85045c1788a741742b6d18a6

Assim como todas as outras metodologias, o STEAM tem muitos elogios, mas ainda gera dúvidas. É bem difícil encontrar materiais a respeito do método. Quem tiver mais informações a respeito, compartilhe! Tenho muito interesse em aprender mais sobre o método.

 

* As imagens deste post foram retiradas do Google

15 brincadeiras para fazer ao ar livre

Em 2014, na Inglaterra,  o supermercado Sainsbury’s entrevistou cerca de 1.500 crianças (entre 5 – 11 anos) buscando entender quais são as atividades favoritas durante o verão. As mais votadas foram:

1 – Brincar no parquinho ou no jardim
2 – Guerra de água
3 – Montar uma cabana no jardim com a família ou os amigos
4 – Andar de bicicleta
5 – Jogos ao ar livre (ex. esconde-esconde)
6 – Subir em árvores
7 – Fazer torta de lama
8 – Colher frutas
9 – Tomar sorvete no sol
10 – Alimentar os patos
11 – Plantar flores
12 – Ir ao cinema
13 – Complexos de lazer (ex. boliche e patinação no gelo)
14 – Fazer um piquenique
15 – Brincar na piscina ou com a mangueira
16 – Empinar pipa
17 – Ir à praia ou a um Parque Nacional
18 – Acampar no quintal com amigos e família
19 – Viajar para a fazenda
20 – Ir ao zoológico
21 – Parque temático
22 – Brincar no computador
23 – Aula de esporte ou música
24 – Andar a cavalo
25 – Acampamento de férias

No Brasil, o verão chega com as férias escolares. E manter a criançada ocupada por quase 2 meses nem sempre é uma tarefa fácil.  Por isso selecionamos 15 brincadeiras para fazer ao ar livre neste verão, no jardim da sua casa ou no parque:

 

creative-and-fun-outdoor-kids-play-areas-2-554x423

creative-kids-friendly-garden-and-backyard-ideas-3-500x332

9a385b6ac0044df6031116cd1465b259

7b6e5c1fb0b31f443d051c40b9fa708b

creative-and-fun-outdoor-kids-play-areas-18

creative-kids-friendly-garden-and-backyard-ideas-2-500x298

creative-and-fun-outdoor-kids-play-areas-11-554x738

creative-kids-friendly-garden-and-backyard-ideas-1-500x667

creative-and-fun-outdoor-kids-play-areas-3-554x738

creative-and-fun-outdoor-kids-play-areas-20

creative-and-fun-outdoor-kids-play-areas-12

creative-and-fun-outdoor-kids-play-areas-5

creative-and-fun-outdoor-kids-play-areas-7-554x413

48ece9bd976685c6510d5f3e2363e07b

8b9163501914f76aff19229bca54ca82

 

Vale lembrar que as brincadeiras com água devem ser moderadas devido à falta de água em várias cidades do País. Tomem muito cuidado também de deixar baldes e pneus sempre vazios e virados para baixo no final da brincadeira para evitar acumulo de água devido ao mosquito da dengue.

Fonte: DigsDigs, Gardenholics, Tatertots and Jello

Entenda os principais tipos de linhas pedagógicas e descubra qual tem mais a ver com o seu filho

No momento de escolher uma escola para o seu filho é muito importante avaliar, além da estrutura, carga horária, preço, etc, a linha pedagógica que é seguida. Isto irá definir desde a maneira como os professores agem e se relacionam com os alunos, até a forma como o conteúdo vai ser transmitido na sala de aula.

Construtivistas, waldorfianas, montessorianas… Qual é a linha pedagógica da escola do seu filho? Conheça os diferentes métodos de ensino do país.

school_kids11-700x521

Tradicional

É talvez o método mais comum no Brasil hoje. Essas escolas tem como principal objetivo universalizar o acesso ao conhecimento através da transmissão do conteúdo pelo professor. Este modelo é bastante focado na disciplina, como forma de conseguir entregar a todos os tipos de aluno o mesmo conteúdo, que é avaliado periodicamente através de provas. Nas aulas tradicionais, os conhecimentos são concebidos como verdades não sujeitas a variações nem à dependência de contextos. A metodologia é baseada na memorização, o que contribui para uma aprendizagem mecânica, passiva e repetitiva. É, quase sempre, direcionada ao vestibular. Seus defensores enfatizam que uma sólida base de informação é fundamental para formar pessoas críticas e questionadoras.

Montessoriana

No método desenvolvido pela italiana Maria Montessori, a criança é capaz de conduzir seu aprendizado através da experiência e da prática, sendo assim a melhor maneira dela descobrir e aprender. No processo de aprendizagem, cabe ao educador remover obstáculos ou propor atividades motoras e/ou sensoriais pela arte, música e ciência a fim que a criança se desenvolva. As salas de aula das escolas que adotam essa pedagogia têm, em média, 20 alunos e procuram ter diversos materiais para estimular a aprendizagem. Em vez de a professora passar as lições, as atividades ficam dispostas em sala e o aluno escolhe qual irá fazer no dia. Ele deve cumprir os módulos obrigatórios para avançar os estudos. A vantagem do método é que o aluno pode aprender de acordo com seu ritmo. Para saber mais, clique aqui.

Waldorfiana

Desenvolvida pelo filósofo austríaco Rudolf Steiner. O método tem com objetivo o desenvolvimento integral da criança, procurando integrar os aspectos físico, emocional e espiritual do aluno, não apenas o intelectual. Na educação infantil, é contra o uso da televisão e de brinquedos industrializados. A imaginação é estimulada por meio de brinquedos simples, pouco estruturados, produzidos quase sempre com material natural, como madeira e tecidos. A partir do Ensino Fundamental, a trajetória da criança é composta por ciclos de sete anos, nos quais ela tem um mesmo tutor por todo o período, que conta com o auxílio de professores assistentes de diversas matérias para transmitir todo o conteúdo do currículo.

Construtivista

Assim como a linha Montessoriana, a pedagogia construtiva desenvolvida pelo filósofo Jean Piaget, Emilia Ferrerom, e entre outros, propõe que todo aluno seja capaz de construir seu conhecimento, levando em conta o conhecimento que a criança traz consigo. O aprendizado é estimulado por meio da experiência, da pesquisa do meio em que vive e que o cerca, do erro e do acerto, evitando sufocá-lo em conteúdo. Neste caso, o professor tem o papel de mediador a fim de “traduzir” o saber desejado pela criança. Embora originalmente essa linha pedagógica não tenha a aplicação de provas, muitas escolas a adotam.

 

Muitas escolas seguem mais de uma pedagogia, mas isso não tem problema. O mais importante é os pais se identificarem com a proposta da instituição de ensino.